sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Baleada em academia nega relação extraconjugal: 'Justiça seja feita', diz


Mulher levou dois tiros em Manaus; três pessoas foram presas pelo crime.
Socialite teria encomendado assassinato por ciúmes de suposto amante.

Adneison Severiano e Camila Henriques Do G1 AM
Denise Silva foi baleada ao sair de academia (Foto: Arquivo Pessoal)Denise Silva foi baleada ao sair de academia
(Foto: Arquivo Pessoal)
A universitária Denise Silva, de 34 anos, baleada em novembro deste ano em uma academia no Centro de Manaus, negou que tenha mantido relação extraconjugal com o suposto amante da socialite Marcelaine Santos Schumann, de 36 anos. Segundo a polícia, Marcelaine teria contratado um grupo de pessoas para matar Denise por ciúmes do homem. Na tarde de quinta-feira (18), a Justiça do Amazonas determinou a prisão preventiva da socialite. Nesta sexta (19), Denise afirmou que espera pela prisão da mulher. "Que seja feita a justiça, e que ela seja presa", disse em entrevista á Rádio Amazonas FM. Ao G1, a universitária disse que pretende mudar "totalmente" a rotina.
O crime ocorreu no dia 12 de novembro. Na ocasião, Rafael Leal dos Santos, de 25 anos, atirou duas vezes contra o carro de Denise. Dois tiros atingiram a nuca da vítima. Na quarta-feira a Polícia Civil prendeu Rafael e outras duas pessoas suspeitas de participação no crime. O grupo disse à polícia que foi contratado por Marcelaine para matar ou aleijar Denise. Conforme informações da polícia, a suposta mandante do crime fugiu para os Estados Unidos desde o dia em que Denise foi baleada.
Por telefone, Denise disse ao G1 que recebia ameaças de Marcelaine há seis meses. "Ela passou a infernizar a minha vida de forma infundada. Até então, eu não sabia quem era a Marcelaine. Tanto eu quanto meu marido pedíamos provas, e ela se esquivava. A partir daí, eu procurei saber quem era a mulher. Aí, passamos a não dar credibilidade. Ela dizia: a Denise está em tal lugar. O meu marido constatava que eu estava fazendo meus afazeres domésticos, ou seja, uma forma de intriga mesmo. Uma coisa louca, sem noção", afirmou.
Questionada sobre as suspeitas de que ela mantinha um relacionamento com um suposto amante de Marcelaine, Denise negou conhecer o homem antes das supostas ameaças da mulher. "Não conhecia, até então. Não tenho nenhum tipo de envolvimento mais próximo com ele. Não sou amante dele, como especulam", frisou.
A universitária, que atualmente reside em Manaus, destacou que pretende morar em outra cidade. "É a minha vontade, sim. O que eu pretendo é mudar de forma radical toda a minha rotina porque eu era seguida constantemente", disse.
Denise disse ainda que aguarda a prisão da suspeita. "Já está constatado que ela é uma louca, psicopata. Eu acredito que ela vai voltar [dos EUA]. Ela tem base fixa [mora] em Manaus, como todos sabem. Uma hora ela volta", enfatizou.
De acordo com a universitária, uma das balas que a atingiram permanece alojada na coluna cervical dela. "Estou refazendo todos os exames fora de Manaus, tendo a possibilidade de tirar esse corpo estranho de dentro de mim. Está tudo abalado. Para mim, isso parece mais um pesadelo. Uma história surreal", disse ao G1.
Três pessoas foram presas suspeitas do crime; mandante segue foragida (Foto: Diego Toledano/G1 AM)Três pessoas foram presas suspeitas do crime;
mandante segue foragida
(Foto: Diego Toledano/G1 AM)
Prisões
Três pessoas foram presas suspeitas de envolvimento no crime. Rafael Leal do dos Santos, de 25 anos, conhecido como "Salsicha", é apontado como o atirador. Ele foi preso na tarde de quarta-feira na casa do avô na cidade de Anori, a 234 km de Manaus. Rafael teria recebido R$ 3.500 pelo crime. Após ser preso, ele teria confessado a tentativa de homicídio e apontado a participação de outras três pessoas no crime: Charles "Mac Donald" Lopes Castelo Branco, de 27 anos, que teria negociado o crime com a mandante, e Karen Arevalo Marques, de 22 anos, que intermediou o aluguel da arma usada no crime. Ela e Charles foram presos na Rua Miratinga, bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus.
Marcelaine fugiu para os EUA no dia do crime e é considerada foragida (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Marcelaine fugiu para os EUA no dia do crime e
é considerada foragida
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Foragida
A suposta mandante do crime é considerada foragida. A Justiça do Amazonas determinou, na tarde desta quinta-feira (18), a prisão preventiva da socialite Marcelaine Santos Schumann. A informação foi confirmada pelo delegado titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Paulo Martins, que comanda as investigações do caso. A polícia não explicou como deve ser cumprido o mandado de prisão da suspeita para não prejudicar a ação.
Conforme a delegada Geórgia Gomes, também da DEHS, a mandante premeditou o crime.  As duas mulheres seriam casadas e há suspeita de que elas seriam amantes de um mesmo homem. "Não está nada comprovado, até porque a Denise disse que não tinha nenhum envolvimento com o suposto namorado da mandante", afirmou Geórgia Gomes.
Entenda o caso
Denise foi baleada na manhã do dia 12 de Novembro deste ano no estacionamento de uma academia localizada na Avenida Getúlio Vargas, no Centro de Manaus.
Após investigações, a Polícia Civil concluiu, por meio das câmeras de segurança do local, que Rafael visitou o local diversas vezes antes de cometer o crime.
Rafael disparou três vezes contra Denise. Dois tiros atingiram a universitária. Ela foi levada para o Hospital 28 de Agosto, e depois foi transferida para uma unidade de saúde particular da capital. A mulher recebeu alta dois dias após o crime.
Vítima foi baleada no estacionamento da academia (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)Vítima foi baleada no estacionamento da academia (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)