terça-feira, 28 de abril de 2015

Para 65% dos internautas do R7, a presidente do Brasil não deve intervir para impedir a execução de Rodrigo Gularte



O R7 consultou os internautas para saber se os brasileiros são contrários a intervenção da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para tentar impedir a execução do brasileiro, Rodrigo Gularte, condenado por tráfico de drogas na Indonésia.
De acordo com o resultado final, pouco mais de 65% do internautas se opõem a interferência formal de Dilma para impedir a morte do brasileiro.
Brasileiro e mais 8 devem ir ao pelotão de fuzilamento à meia-noite na Indonésia
Brasileiro 'não tem mais direito a recurso' na Indonésia
Já para pouco menos de 35% dos internautas, a presidente deve sim tentar impedir a execução da pena na Indonésia.
Fuzilamento
O próximo fuzilamento de Gularte e outros oito estrangeiros foi comunicado de forma oficial no sábado passado pelas autoridades indonésias e pode ocorrer a partir desta terça-feira (28).
Se a sentença for cumprida, Gularte será o segundo brasileiro executado na Indonésia, após o fuzilamento em janeiro de Marco Archer Cardoso Moreira, também condenado à morte por narcotráfico e por quem o governo de Dilma advogou sem sucesso.
Fontes oficiais brasileiras disseram à Agência Efe que a representação do país em Jacarta entregou hoje uma nota de protesto ao governo da Indonésia, na qual insistiu que Gularte sofre de esquizofrenia, o que impediria sua execução, segundo a própria lei desse país asiático.
Esse argumento foi corroborado pela defesa de Gularte, mas ignorado pela justiça indonésia, que mesmo assim o incluiu na lista de pessoas que podem ser executadas nesta mesma semana. A nota de protesto, segundo as fontes consultadas pela Efe, insiste também que o Brasil respeita a soberania indonésia, mas advoga pela vida de Gularte desde um ponto de vista humanitário.
Após a execução de Moreira, em 17 de janeiro, a presidente Dilma reagiu com "consternação" e "indignação" e chamou para consultas o embaixador brasileiro em Jacarta, que ainda não retornou a seu posto.