domingo, 19 de julho de 2015

Testemunha-chave da chacina de mulheres em Itajá sofre atentado

Mulher foi amarrada numa árvore numa região de mata fechada. Chamas atingiram as penas da vítima, que foi socorrida em estado de choque para o hospital.
Foto: Gilmar Santos/Inter TV Cabugi
A testemunha-chave da chacina que vitimou cinco mulheres na última quarta-feira (15) dentro de um prostíbulo na zona rural de Itajá, quase foi morta na noite desta sexta-feira (17).
A Polícia Civil confirmou que a testemunha, que foi perseguida, espancada, amarrada e quase teve o corpo incendiado, é irmã do comerciante Francisco de Assis Júnior, de 38 anos. Mais conhecido como ‘ET’, ele foi preso na manhã da sexta-feira em Macaíba, na região Metropolitana da capital, e está sendo apontado como o mentor da matança. 
Ainda de acordo com a Polícia Civil, o atentado aconteceu em Nova Parnamirim, bairro de Parnamirim, também na Grande Natal. Três homens encapuzados a abordaram quando ela desceu de um ônibus e a levaram para um matagal nas imediações da avenida Maria Lacerda Montenegro.
Já amarrada, ela contou que um dos homens recebeu uma ligação telefônica dando a ordem para que ela fosse queimada. A mulher lembra, inclusive, ter ouvido o homem dizer: “Você vai queimar bem devagar, que é pra ver como o inferno é quente”.
Espancada, ela foi amarrada numa árvore. Os três homens atearam fogo na vegetação e foram embora. Uma moradora da vizinhança, viu o fogo se espalhando e ouviu a mulher gritando por socorro. 
Essa pessoa chamou a polícia, que chegou a tempo de salvar a vítima. Uma equipe do SAMU levou a mulher ao Hospital Regional Deoclécio Marques em estado de choque e com queimadura nas pernas, onde ela recebeu atendimento. Ainda de acordo com a polícia, a irmã de Francisco recebeu alta médica e permanece sob proteção de uma escolta armada.
Testemunha-chave
As investigações revelam que a irmã de Francisco de Assis deveria ter sido morta como queima de arquivo, pois foi justamente ela quem o entregou à polícia. Em depoimento, dado logo após a chacina, a mulher relatou que o irmão a vinha ameaçando fazia alguns meses por conta de uma casa. De acordo com o relato, Francisco quer que a irmã saia do imóvel para que ele fique com a residência.
Numa tentativa de se defender, a mulher disse que daria queixa à polícia contando das ameaças e que ainda chamaria uma das proprietárias do bordel para que esta testemunhasse contra Francisco. O inquérito também revela que o comerciante seria o responsável pelo abastecimento do prostíbulo, fornecendo bebidas, cigarros e drogas.
Além disso, Francisco também teria uma participação nos lucros do negócio, recebendo uma parte do dinheiro pago pelos programas das garotas.
Contudo, segundo o delegado Normando Feitosa, a gerente da casa estaria cobrando um determinado valor pelos programas, mas não estaria repassando o valor combinado.
Fonte: G1/RN