domingo, 28 de agosto de 2016

Impeachment tem 60 votos, diz líder tucano; dilmista fala em 3


Dilma perderá mandato se 54 dos 81 senadores votarem pelo impeachment.
Aliados da presidente afastada dizem ter votos suficientes para impedir.

Fernanda Calgaro*Do G1, em Brasília
Montagem com fotos dos senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) (Foto: Reprodução / Senado)Montagem com fotos dos senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) (Foto: Reprodução / Senado)
Às vésperas da votação final do processo de impeachment de Dilma Rousseff, o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), estima que os defensores do afastamento definitivo da presidente da República já contam com 60 votos para destituí-la do comando do Palácio do Planalto. Aliado da petista, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) afirma que os dilmistas contabilizam 31 votos para barrar o impeachment.
Para Dilma ser afastada difinitivamente da Presidência, é necessário que, ao menos, 54 senadores (equivalente à maioria absoluta do Senado) votem favoravelmente ao impeachment. Se esse número de votos não for alcançado na votação final do julgamento, a petista retorna imediatamente ao comando do governo.
Ainda não há uma data precisa de quando ocorrerá a votação, no entanto, a expectativa é de que o julgamento se encerre entre terça (30) e quarta-feira (31).
 
As articulações políticas nas trincheiras governistas e oposicionistas devem se manter intensas nos bastidores até o último minuto do julgamento, embora, os conselheiros de Temer já repitam que o impeachment "está consumado".
Um dos termômetros que os integrantes do Palácio do Planalto usam para tentar demonstrar que o afastamento é irreversível é oplacar da votação da etapa anterior do processo de impeachment, que transformou Dilma em ré. Na ocasião, 59 senadores votaram a favor de ela ser levada a julgamento no plenário e 21 se posicionaram contra.
Na votação final, pelos cálculos do líder do PSDB no Senado, os votos pró-impeachment poderão até chegar a 62 ou 63 votos. Os articuladores políticos de Temer têm trabalhado nas últimas semanas para aumentar ainda mais a margem de votos favoráveis ao afastamento definitivo na última votação.
Conforme o G1 apurou, entre os alvos do Planalto para aumentar o placar pró-impeachment, estão os senadores Roberto Muniz (PP-BA), Otto Alencar (PSD-BA) e Elmano Férrer (PTB-PI). Na votação anterior, eles se posicionaram contra Dilma ser levada a julgamento final. O objetivo dos aliados do presidente em exercício é fazer com que esses parlamentares votem a favor do afastamento na etapa definitiva do processo de impeachment.
“O número mais provável são 60 votos favoráveis ao relatório pelo afastamento definitivo, contra 20. Caso o senador Renan Calheiros vote, ampliaremos esse placar para 61, mas alguns prognósticos apontam para a possibilidade de chegarmos a 62 e até 63 votos. E, para cada voto que acrescentar de um lado, debita do outro”, analisou Cunha Lima.
Integrante do PMDB de Temer, mas aliado de Dilma, Roberto Requião ressalta que, nas contas da oposição, os votos contrários ao impeachment chegam a 31.
“Vamos derrubar o impeachment, teremos 31 votos”, enfatizou.
O peemedebista acredita em mudanças de lado de última hora. “Tenho visto que alguns senadores podem trocar de opinião”, observou.

Na fase seguinte, que passou a ser comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, Renan poderia ter participado da votação que tornou Dilma ré, mas decidiu não votar por opção pessoal. Agora, nesta terceira etapa, o presidente do Senado também está apto a votar.
Voto de Renan

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tem repetido que ainda não se decidiu se irá votar ou não. Na primeira etapa do processo, quando os senadores decidiram instalar o processo para investigar se a petista havia cometido crime de responsabilidade, ele não votou por ser presidente da Casa.
Colaborou Filipe Matoso