quarta-feira, 5 de outubro de 2016

PF indicia Lula por suspeita de propina da Odebrecht


Resultado de imagem para lula

Valor da propina, segundo as investigações, é de R$ 20 milhões.
Instituto Lula disse que não há irregularidades em contas do ex-presidente.

Do G1, em Brasília, com informações do Jornal Hoje e da GloboNews
-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo crime de corrupção passiva, por ele ter, segundo as investigações, usado da influência do mandato que exercia  para favorecer um empréstimo do BNDES à empreiteira. Em troca, de acordo com a PF, a empreiteira pagou propina de R$ 20 milhões a Taiguara Rodrigues, sobrinho de Lula. Segundo a PF, parte da propina foi também para o ex-presidente.
Taiguara , Marcelo Odebrecht e mais sete executivos da empreiteira foram indiciados por corrupção e lavagem de dinheiro.
O indiciamento teve como base investigações da Operação Janus, que apura irregularidades no financiamento do BNDES para obras da Odebrecht em Angola. Agora caberá ao Ministério Público Federal decidir se oferece denúncia sobre o caso à Justiça.
De acordo com as investigações, a empresa da qual Taiguara é sócio, a Exergia, fechou contrato com a Odebrecht em Angola depois de Lula ter facilitado o empréstimo junto ao BNDES.
Em nota, a assessoria do Instituto Lula informou que a defesa não teve acesso ao documento de indiciamento. Disse ainda que Lula e familiares tiveram as contas "devassadas" mas, segundo o instituto, não foram encontradas irregularidades (veja íntegra da nota ao fim desta reportagem).
"O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem sua vida investigada há 40 anos, teve todas as suas contas e de seus familiares devassadas, seu sigilo bancário, fiscal e telefônico quebrado  e não foi encontrada nenhuma irregularidade. Lula não ocupa mais nenhum cargo público desde 1º de janeiro de 2011, e sempre agiu dentro da lei antes, durante e depois de ocupar dois mandatos eleitos como presidente da República", afirmou o Instituto Lula
Na nota, a assessoria do ex-presidente afirma ainda que ele sofre "uma campanha de massacre midiático".
Janus
A Operação Janus é um desdobramento do inquérito aberto em julho de 2015, a pedido da Procuradoria da República no Distrito Federal para apurar suposto tráfico de influência internacional do ex-presidente. Os investigados na operação são suspeitos de terem cometido crimes de tráfico de influência e lavagem de dinheiro, informou a assessoria da PF.
A PF divulgou nota na tarde desta quarta-feira (5) na qual informou que concluiu o inquérito referente à operação. A PF disse ainda que a Odebrecht pagou R$ 20 milhões à Exergia "sem a devida prestação dos serviços de engenharia em empreendimentos de infraestrutura financiados pelo BNDES em Angola".
PT vê perseguição
O presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirmou nesta quarta-feira (5) que o novo indiciamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela Polícia Federal comprova "perseguição".
"Estamos protestando contra isso [...]. É mais uma atitude que compra o que tenho dito, que há perseguição [...]. A investida contra o presidente Lula comprova o que temos dito. Em nome do combate à corrupção, que a população se preocupa, com razão, se faz uma cruzada seletiva contra o partido e a maior liderança popular do país, passando por cima dos direitos fundamentais", disse Falcão nesta quarta, após participar de reunião da Comissão Executiva Nacional do PT, em Brasília.
Nota do Instituto Lula
Veja a íntegra da nota do Instituto Lula:
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem sua vida investigada há 40 anos, teve todas as suas contas e de seus familiares devassadas, seu sigilo bancário, fiscal e telefônico quebrado  e não foi encontrada nenhuma irregularidade. Lula não ocupa mais nenhum cargo público desde 1º de janeiro de 2011, e sempre agiu dentro da lei antes, durante e depois de ocupar dois mandatos eleitos como presidente da República.
A defesa do ex-presidente irá analisar o documento da Polícia Federal, vazado para a imprensa e divulgado com sensacionalismo antes do acesso da defesa, porque essa prática deixa claro que não são processos sérios de investigação, e sim uma campanha de massacre midiático para produzir manchetes na imprensa e tentar destruir a imagem do ex-presidente mais popular da história do país.