terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Mergulhador morre afogado durante pescaria no RN; corpo é resgatado



O corpo do mergulhador Joumar Andrade de Macedo, de 28 anos, foi retirado do mar na manhã desta segunda-feira (20). Joumar se afogou ontem (19) à tarde enquanto pescava na companhia de um amigo no Batente das Agulhas, ponto de mergulho próximo a Muriú, no litoral do Rio Grande do Norte. Ele praticava pescaria em apneia, com arpão.
Segundo um familiar que preferiu não se identificar, o colega de pescaria relatou que Joumar foi dar um último mergulho e não voltou mais. Ele teria saído à procura do amigo, mas contou que, quando o encontrou, ele já estava inconsciente. Joumar era casado e tinha uma filha de sete meses.
Isso aconteceu ontem por volta das 14h30, em alto-mar. O Corpo de Bombeiros foi acionado entre as 16h e 17h e saiu em busca do corpo às 11h de hoje. De acordo com o subtenente Ribeiro, que acompanhou a operação, o motivo da demora foi a falta de um barco da Capitania dos Portos grande o suficiente para fazer o resgate.
Os bombeiros zarparam do Iate Clube de Natal, resgataram o corpo e voltaram para a capital pelo mar. Segundo o subtenente Ribeiro, Joumar foi encontrado 18 metros abaixo da superfície. No Batente das Agulhas, que é considerado um dos melhores pontos de mergulho do país, a profundidade máxima é de 24 metros.
O corpo de Joumar foi levado para o Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep), onde foi identificado pela família. Os peritos determinaram a causa da morte como afogamento.
Sem respiração
A pesca submarina é feita sem cilindro de oxigênio ou outro tipo de aparelho de respiração artificial, mas podem ser usadas armas, como o arpão. No Brasil, é proibido usar cilindro para a prática, que pode se tornar predatória. A pesca submarina é considerada arriscada, já que, se ficar sem oxigênio por tempo demais, o mergulhador pode desmaiar e se afogar.

G1/RN