sexta-feira, 3 de março de 2017

[VÍDEO] ACUSADO DE MATAR MULHER COM FACADA EM MOSSORÓ-RN, DEVIDO A UMA CACHORRINHA CHORA AO NARRAR COMO MATOU DURANTE JULGAMENTO



O réu Alberto Sinésio da Silva Melo, de 41 anos, chorou ao narrar aos jurados como matou a matar a mulher Fransciscris Silva Fernandes, a facada, no dia 13 de agosto de 2016, no bairro Planalto 13 de Meio, durante o julgamento que está acontecendo neste momento no Fórum Silveira Martins, em Mossoró RN.
Amor, como é mais conhecido o réu, contou que matou a mulher sem intenção de fazê-lo. Explicou que a mulher teria jogado a cachorrinha da filha de 5 anos na parede e veio para cima dele com uma faca e terminou ferida. Disse que prestou socorro também e que e fugiu para não ser preso em flagrante.
O promotor de Justiça Armando Lúcio Ribeiro, em sua exposição no Tribunal do Júri Popular, combateu o depoimento do réu Amor. Antes de iniciar sua fala, Armando Lúcio explicou que este é o primeiro juri que faz depois que houve mudança no Código Penal, onde foi incrementado o feminicídio.
Armando Lúcio demonstrou com clareza que o crime foi duplamente qualificado e que na aplicação da sentença, esta deveria ocorrer com acréscimo de 1/3. No caso desta tese ser aceita pelos jurados, o réu Amor deve pegar de 12 a 30 anos de prisão, sendo inicialmente em regime fechado.
Já o advogado de defesa, José Oliveira Junior, conhecido por Junior Macarrão, combateu a tese do MP. Sustentou que o seu cliente não tinha a intenção de matar. Tratou o caso como se o crime fosse acidental e que deveria o Conselho de Sentença desqualificado para lesão corporal seguida de morte.
Antes de começar a defesa do réu, Junior Macarrão explicou porque o chamam de Junior Macarrão. Disse que tinha um metro e oitenta e um de altura e pesava só 60 quilos. Além disto, também gostava muito de macarrão em sua juventude. Daí passaram a chama-lo de Junior Macarrão há 30 anos.
Já na defesa do réu, Junior Macarrão explicou que as pessoas o chamam de Amor por ele ser uma pessoa muito amorosa, desde sua infância. Daí disse que a vítima, ao contrário do réu, era muito briguenta, violenta, agressiva, customava bater no marido e que teria motivado a agressão que havia concluído em sua morte.
No caso desta tese ser aceita pelos jurados, o réu Amor será condenado a uma pena de mais ou menos 6 anos.
Neste momento, o promotor Arnando Lúcio Ribeiro está na réplica, sustentando a tese pedindo a condenação do réu. Fala sobre os depoimentos das testemunhas.fonte blog passando na hora